Header Ads

“O Crime do Padre Amaro” será adaptado para série de seis episódios na RTP1

Foto: Direitos Reservados

A história do amor proibido entre Amélia e Amaro vai voltar a ser contada nos ecrãs, desta vez em formato série numa das novas apostas de ficção da RTP. Leonel Vieira assume a realização desta nova adaptação de O Crime do Padre Amaro, que contará com seis episódios de aproximadamente 45 minutos. José Condessa e Bárbara Branco vão vestir a pele dos dois protagonistas.

Esta nova adaptação do livro clássico foi filmada na cidade de Leiria, o palco desta história, tal como no romance clássico assinado por Eça de Queirós. A narrativa levanta questões morais enquanto debate a religião e o voto de celibato e acompanha a chegada de Amaro, um pároco recém formado, à cidade Leiria. 

A jovialidade do Padre desperta a atenção, enquanto alguns questionam a sua capacidade para exercer funções, há quem se deixe encantar pela sua beleza. Instalado em casa de S. Joaneira, papel entregue a Filomena Gonçalves, é por lá que conhece a jovem crente Amélia, a mais bela jovem de Leiria que vive entre os Padres e que olha para eles como referências masculinas na tentativa de suportar a ausência do pai.

Para ajudar a facilitar a integração, o Cónego Dias, que nesta nova série será vivido por José Raposo, chega-se à frente. É ele quem lhe explica como se deve movimentar entre os fiéis e é, também, pela sua mão, que chega à casa de S. Joaneira. Na chegada a Leiria, Amaro cruza-se ainda com o Libaninho, ao encargo do ator Diogo Martins, Padre Natário, interpretado aqui por Joaquim Nicolau, o Padre Brito, que será represado por Sérgio Praia e Samorinha, papel entregue a Ana Guiomar. 

O elenco conta ainda com Almeno Gonçalves, Carla Vasconcelos, Emília Silvestre, José Martins, Lucinda Loureiro,Marina Albuquerque, Miguel Raposo, Natália Luiza, Soraia Tavares, Tânia Alves e Vânia Maia.

Com o apoio da Câmara Municipal de Leiria, o projeto deveria ter arrancado no ano passado, integrada nas comemorações dos cento e vinte anos da morte de Eça de Queirós, contudo devido à pandemia tal não foi possível. A ação vai passar pela Igreja da Misericórdia, Largo da Sé, Rua Direira, Castelo de Leiria e pela famosa Fonte das Três Bicas, numa ligação que se vai estender, também, à Ortigosa e Cortes. 

A proposta passar por um retrato fidedigno dos eventos retratados na obra clássica, num projeto que se encaixa na nova linha de série da RTP para 2022 e 2023 e que mais uma vez conta com o apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual.