Header Ads

"Chegar a Casa": Aposta da RTP para 2021 já terminou gravações


Há cada vez mais títulos em carteira prontos para chegarem aos ecrã da estação pública no próximo ano. Chegar a Casa é uma das produções prometidas para 2021 e volta a nascer de uma união de forças entre o melhor do nosso país e da vizinha Espanha. O regresso de Marta a casa, 15 anos depois de ter iniciado uma vida em Santiago de Compostela, é apenas o início da aventura vivida por Joana Seixas nesta nova trama que conta com a assinatura de Joana Andrade Filipa Poppe. Entre a comédia e a revisão de uma matrimónio que ficou noutro país, com Arcos de Valdevez e Santiago de Compostela como cenários de fundo, é esta a ficção que se segue no horizonte da RTP.

À SPI, responsável pelo sucesso Auga Seca, junta-se a CTV, produtora do país vizinho, que ajudou a fazer nascer o argumento de Chegar a Casa. «A rodagem da série junta atores portugueses e espanhóis e equipas técnicas e de produção dos dois países. As gravações decorrem dos dois lados da fronteira e seguem todas as regras de prevenção da pandemia, demonstrando bem a capacidade e a resiliência da nossa produção audiovisual. A série vai estrear na RTP1 no segundo trimestre do ano e conhecerá seguramente uma circulação internacional relevante», avança José Fragoso, Diretor de Programas da RTP em comunicado oficial divulgado pela página da SPI.

Joana Seixas assume o papel principal da nova aposta, ao lado de nomes como Alfredo Brito, Rosa do Canto, Duarte Pinho e Melo, Rui Melo, Rúben Gomes, Leonor Vasconcelos, Rodrigo Tomás e Anabela Moreira, além de Miguel Ángel Blanco, que em terras do país vizinho integrou a versão original de Conta-me Como Foi, e Sara Casasnovas. Ao Fantastic, Anabela Moreira, levantou um pouco do véu sobre o que podemos esperar da sua personagem. «Estou a gravar uma comédia maravilhosa da SPI uma co-produção espanhola que tenho a certeza que será um sucesso. Tem os ingredientes todos para isso. Desta vez serei uma minhota mais especificamente de Arcos de Valdevez», confirma a intérprete.

As gravações encerraram no último dia 15 de dezembro, e Sérgio Graciano, realizador do projeto não escondeu a satisfação nas suas redes sociais. «Foi uma rodagem difícil em tempos de pandemia e isso fez com que nos uníssemos ainda mais para levar mais um projecto até ao fim. Foi difícil, mas prazeroso. Acho que o resultado final só pode ser bonito. Foi bom trabalhar com a Filipa Poppe e com a Joana Andrade e materializar aquelas palavras tão bem escritas. Da equipa espero sempre o melhor e este projecto não foi diferente. Tivemos uma equipa de guarda-roupa espanhola que sem nos conhecer mataram-se a trabalhar e passaram a ser umas de nós. Uns heróis e heroínas!», refere, orgulhoso.

Além de Chegar a Casa, a RTP conta ainda com várias séries prontas para ocuparem os serões de ficção. Capitães do Açúcar, da autoria de Tiago Sarmento, chega para falar sobre a juventude, a dependência, o universo das belas artes e a depressão. Já no contexto histórico viajamos no tempo para conhecer a obra de Fernão Lopes de Castanheda, um soldado desconhecido de muitos mas que desempenhou um papel fundamental na rebelião de Goa contra o Império Luso. Os risos prometem estar presentes em várias comédias, entre elas Até Que a Vida Nos Separe, a nova série junta uma família que organiza casamentos na sua quinta. Contudo, enquanto planeiam os finais felizes dos noivos, os donos do espaço de eventos passam por um processo de divórcio que está a afetar a sua relação profissional, o negócio e a amizade que existe entre os dois.