Header Ads

"A Escritora", de Hugo Pinto, vence Festival Internacional de Curtas-Metragens de Faro

https://scontent.fopo1-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/118252788_598197031066769_4089131855793180758_o.jpg?_nc_cat=106&_nc_sid=730e14&_nc_ohc=iuon09TqsosAX9hJbX6&_nc_oc=AQmfXIb6xxwMGSGmN8g6-HOw6YozN3HFFfkVTlKj1pUfKJQ4ifCv2drZJk7pcO4EkowbYnX1_udHP4X2VowQTEY6&_nc_ht=scontent.fopo1-1.fna&oh=1895e317349d67e7c2868711d63191bb&oe=5F71158E 
O mais recente projeto de Hugo Pinto, A Escritora, foi eleito o Melhor Filme do FARCUME - Festival Internacional de Curtas-Metragens de Faro. O Fantastic falou com o realizador sobre esta curta-metragem que já havia estreado no Avanca Film Festival, em julho, onde ganhou também uma menção especial.

Para além de vencer a principal categoria do festival, Catarina Lima arrecadou ainda o prémio na categoria Melhor Ator/Melhor Atriz. Para Hugo Pinto, estes prémios são importantes "porque traduzem um reconhecimento do trabalho de toda a equipa". O realizador considera que "os filmes devem ser exibidos e apoiados" e, por isso "vencer e ser exibido num festival é uma forma de apoio". Ainda assim, valoriza o trabalho de todos os participantes em certames como o FARCUME. "Nenhum filme 'é melhor ou pior' por ganhar ou perder. Estou grato pela oportunidade", explicou o realizador ao Fantastic.

Com a condição humana como tema principal, a narrativa assinada por Andreia Azevedo Moreira acompanha a vida da protagonista Alice em duas fases distintas da sua vida. "A Escritora é um filme com muitas camadas, com um texto lindíssimo. Merece ser visto e discutido. Tem uma equipa fantástica", defende Hugo Pinto, em declarações ao nosso site.

Dotada de um talento fora do comum para a escrita, Alice sente o apelo de colocar por palavras todas as dúvidas que a assolam a ela como a tantas outras mulheres questionando a relação com o marido e onde ficou a sua auto-estima e vontade de viver no meio do percurso dito normal de casar, ter filhos e preocupar-se com os outros.

Além destas questões, esta mulher luta ainda contra uma doença grave que poderá colocar fim à representação da mulher perfeita. Dalila Carmo e Catarina Lima dividem o papel principal num elenco que conta ainda com Áurea e Afonso Pimentel.

Depois desta vitória em Faro, o filme já tem presença garantida em, pelo menos, mais três festivais. "A seguir vamos a Arouca, Seattle e Almeirim, mas ainda existe muita dúvida sobre as datas devido à pandemia. Temos muitas seleções confirmadas, mas com datas pendentes", concluiu o responsável. Este é o quarto filme do realizador Hugo Pinto que este ano lançou, também, O Intruso, um enredo de cinco minutos liderado por Cláudia Semedo, selecionado para a edição deste ano do MOTELX.