Header Ads

Cinema em Doses Curtas | Sleepwalk


Neste Cinema em Doses Curtas, apresentamos Sleepwalk, um filme escrito e realizado por Filipe Melo e baseado no livro de banda desenhada com o mesmo nome, de Filipe Melo e Juan Cavia. 
Marta chega a casa depois do funeral da mãe. Após ter dedicado os últimos anos da sua vida a cuidar dela, chega a hora de aprender a viver com esse vazio. Pela primeira vez poderá pensar no seu futuro, mas uma visita inesperada irá obrigá-la a viajar até aos lugares mais duros da sua memória.
[Marta comes home after her mother's funeral. Having devoted the last years of his life to take care of her, it's time to learn how to live with that void. For the first time she will think about the future, but an unexpected visit will force her to travel to the hardest places in her memory.]
- See more at: http://www.cinept.ubi.pt/pt/filme/10348/Marta#sthash.L6vBmNhl.dpuf

Marta chega a casa depois do funeral da mãe. Após ter dedicado os últimos anos da sua vida a cuidar dela, chega a hora de aprender a viver com esse vazio. Pela primeira vez poderá pensar no seu futuro, mas uma visita inesperada irá obrigá-la a viajar até aos lugares mais duros da sua memória.
[Marta comes home after her mother's funeral. Having devoted the last years of his life to take care of her, it's time to learn how to live with that void. For the first time she will think about the future, but an unexpected visit will force her to travel to the hardest places in her memory.]
- See more at: http://www.cinept.ubi.pt/pt/filme/10348/Marta#sthash.L6vBmNhl.dpuf
Vê a curta-metragem na íntegra:



Sleepwalk: A história

Sleepwalk é um filme com uma premissa simples: a história de um homem que percorre o interior dos EUA em busca de uma tarte de maçã. Mas este é apenas o ponto de partida para uma história misteriosa, forte e brilhantemente filmada por Filipe Melo, com direção de fotografia de Frederico Cantini.

Sleepwalk foi rodado nos EUA no outono de 2017. Segundo o próprio realizador,  o filme não poderia ser feito em Portugal porque "é uma história profundamente americana, mesmo tendo uma temática universal, mas há uma característica na história que faz que este enredo só faça sentido nos EUA e só isso é um spoiler".

O filme teve estreia nacional no festival IndieLisboa e desde então tem feito o percurso dos festivais nacionais e internacionais, tendo sido distinguido com o Prémio Sophia, da Academia Portuguesa de Cinema, para melhor curta-metragem (edição de 2019), o Prémio Onofre de melhor curta-metragem no Festival de Cinema Ibérico de Badajoz e uma menção especial do júri do prémio da Amnistia Internacional do Festival Corto Dorico em Itália, entre outras distinções. 
Por André Pereira