Header Ads

COMING UP | Parasite [OSCARS]



Parasite é o filme que conquistou Hollywood e colocou o mundo a querer assistir a uma obra falada em coreano. É o dark hourse desta edição do Oscar que promete abrir os horizontes da indústria e mostrar que uma boa história continua a ser o segredo para segurar o público. Esta é a longa-metragem que redefine o conceito de tragicómico, que nos lidera no caminho do óbvio, para depois guinar numa surpresa constante. O plot é aparentemente simples, mas carrega a força de uma crítica à sociedade bem cruel, por detrás dos risos. Esta é a grande surpresa do argumento que vai dando voltas que enganam, o guião vai oferecendo pequenos clichês para nos fazer criar expectativas num jogo de gato e do rato, em que no final saímos a perder, mas a ganhar com uma película surpreendente que nos leva das gargalhadas ao choro em poucos minutos. É light na construção e pesado no tom. No fundo, é um conflito constante que nos faz esquecer que não estamos a assistir a um projeto falado em português ou inglês. Entre o público parece ser um dos grandes sucessos do ano, mas será que é realmente isso tudo?

A história é, aparentemente, bem simples e tem o auxílio de ser algo tão clichê que quando começamos a ver parece que já conseguimos imaginar o rumo que tudo vai ter. E este é um fator essencial para nos conseguir realmente fazer pensar no drama. É a típica comédia em que um grupo de pessoas tenta dar um golpe numa família abastada, pela qual depois acabam por nutrir algum afeto com o passar dos dias. Contudo, há um twist bem interessante aqui que nos faz perceber que nada do que tínhamos pensado é de facto real: O golpe não é para roubar dinheiro, mas sim para conquistar um trabalho. Para garantir o sustento. É honesto? Não é no início, mas acaba por ser. Tudo o que fazem decorre de acordo com o pedido, é o melhor que conseguem para o que se propuseram. O próprio matriarca deixa-nos o pré-aviso: “Numa vaga para segurança há 500 homens a concorrer, aqui temos a nossa família inteira a trabalhar”, deixando como ponto assente que apesar de todo o desenvolvimento até ali ter sido feito entre piadas, o argumento não está ali para brincar mas para entregar o Punch Line de que tudo isto é um retrato da falta de oportunidades e de como as aparências abrem portas.


Na visão que Parasite apresenta sabemos que conhecer as pessoas certas e ter algum grau académico superior te torna imediatamente apto para ocupar uma vaga. É um contexto exagerado sobretudo se nos basearmos na atitude um pouco tosca da família Park, no entanto é uma mensagem que sabemos que não foge da realidade. Uma bola de neve que serve de gozo, mostrando que na era em que estamos a sociedade atingiu um novo cúmulo em que mais vale parecer do que ser. É um drama que aqui se despe da crueldade para cair quase no ridículo, mostrando que basta uma pessoa mal-intencionada para contaminar um sistema inteiro. Aqui Kim é o elemento alfa, o narrador mudo da história que nos acompanha por uma onda de estereótipos que existem em qualquer parte do globo e que deixa antever a fragilidade de quem na sua altivez se acha melhor por ser mais influente mas que ao primeiro esquema cai como um tordo. É fácil entender o percurso dos primeiros minutos do projeto: Sabemos que todos vão lá parar, resta saber qual será a opção mais hilariante para o fazer.

O trabalho de argumento é realmente algo que merece reconhecimento. Toda a estrutura é elaborada da mesma forma clássica que qualquer novela, recheada de comédia, até parar para respirar, rebobina a fita e nos oferece um lado B em que o drama é verdadeiramente uma surpresa. A parte em que a empregada que expulsaram volta e tem os seus próprios esqueletos até que é previsível, mas ninguém espera que o golpe os leve a quebrar o seu próprio código de honra. Aliás, os personagens que nos foram desenhados como alguém honesto que mente para poder comer, conseguem mostrar-nos que são mais que isso, que são capazes de agir de várias formas. Mesmo sem perder a coerência, os personagens carregam duplos sentidos de responsabilidade e conseguem fazer-nos realmente impactar. Quem esperava que fossem capazes de matar? A forma cómica como lidamos com eles até então deixa-nos longe de imaginar que a solução passaria por algo tão definitivo ou tão grave.


O final é algo verdadeiramente alucinante e vem mostrar que apesar da honra poder ser vendida ao dinheiro, a dignidade ainda sai por cima desse leilão. Apesar de nos ser apresentada a alternativa perfeita para que todos os elementos se escapassem desta embrulhada e conseguissem manter a farsa, o argumento dá-nos uma reviravolta necessária para fugir ao desfecho que todos os filmes clichês com esta mesma premissa nos apresentaram: Ninguém termina inteiramente feliz, e nem rico ou pobre escapam do momento em que o drama substitui totalmente a comédia ao leme da narrativa. É o peso necessário para nos entregar o último trecho que o subtexto de Parasite nos tenta oferecer: Que a sociedade é imperfeita e que no meio de todas as mentiras, corrupções, injustiças e despreocupações, no final nenhum dos lados sai inteiramente vencedor.

Parasite é a visão do mundo no seu estado atual, com a leveza que o torna atraente, mas que vem com o conceito certo para as discussões que nos rodeiam cada vez que olhamos para um jornal ou ligamos a TV. A despreocupação, ou melhor a vontade de olhar para o lado ao invés de encarar o estado das coisas, é a carapuça que nos serve a todos e nesta longa metáfora entendemos que ali todos compreenderam a mentira como um mal menor para um objetivo justo. Será que enquanto sociedade não estamos todos a fazer um pouco isso? Quando paramos para pensar, ainda conseguimos lembrar-nos de mais e mais pormenores com significado dentro de todo o filme, será que captamos tudo? Talvez não.

O mérito é em grande parte do roteiro do projeto, cheio de intenções em cada diálogo, usando a seu favor o exagero para nos fazer querer ver mais. É um projeto que se dá ao trabalho, que não se deixa envergonhar dentro dos grandes estúdios que concorrem ao seu lado. Se é um filme capaz de conquistar o prémio principal? Até pode ficar atrás nessa luta, até porque todo o hype gerado à volta deixa sempre as nossas expectativas demasiado altas e os votantes não serão exceção a esta regra, mas é um concorrente forte para o Academy Award de Best Original Screenplay. Isto além do prémio de Best Internacional Feature Film que já lhe pertence, sem deixar margem para dúvidas. É política condensada na filosofia de uma narrativa que rompe as barreiras com uma voz diferente do que nós estamos habituados a assistir em produções que tenham o aval da academia. É outra visão, outro estilo, e um pouco mais de cultura, que levanta a bandeira da Coreia do Sul e deixa a promessa de novas obras fora da caixa.

Sem comentários