Header Ads

Segunda Opinião | A Tua Cara Não Me é Estranha

Resultado de imagem para a tua cara nao me e estranha
Foto: Maria

O programa estreou em 2012 e foi um sucesso de audiências em Portugal. Apresentado por Manuel Luís Goucha e Cristina Ferreira, o formato reunia em casa milhões de espectadores, que fizeram deste, vencedor por duas vezes do prémio de melhor formato de entretenimento.

"A Tua Cara Não Me é Estranha" é um programa de imitações cantado em direto, onde os concorrentes se transformam na estrela que lhes sair na roleta. Ao longo da competição os oito concorrentes mantém-se em jogo, sendo que a final é feita pelos quatro melhores. Os jurados avaliam e pontuam a atuação, mas o público em casa tem um papel maior na escolha da melhor imitação.

Depois de várias edições de sucesso, a TVI decide apostar no programa novamente, mesmo após a saída de Cristina Ferreira para a SIC. Muito se especulou acerca da apresentação. Uns defendiam que Manuel Luís Goucha deveria apresentar-se a solo, outros que Maria deveria suceder a Cristina, tal como aconteceu nas manhãs. 

Falou-se ainda de Rita Pereira, César Mourão e Pedro Teixeira para a apresentação do programa. Contudo, a TVI surpreendeu tudo e todos ao apostar em Maria Cerqueira Gomes a solo. Uma aposta arriscada e que dividiu opiniões, devido a Maria estar no canal há seis meses (na altura) e já merecer um programa em horário nobre, enquanto Leonor Poeiras, Isabel Silva ou Mónica Jardim não tiveram essa hipótese.

Maria Cerqueira Gomes não tem tido batalhas fáceis na TVI. Ser encarada como sucessora da Cristina Ferreira é um peso enorme. Outro maior confrontar-se diariamente com ela nas audiências. Em horário nobre teve o maior desafio: pegar num programa líder, apresentado pelos melhores e conseguir dar-lhe uma nova cara. Mas Maria é uma mulher do norte e não baixou as armas. A apresentadora mostrou-se nervosa nas primeiras Galas, atrapalhava-se mais a falar mas com o tempo Maria foi mostrando o seu lado divertido (muitas vezes "ofuscado" por Goucha nas manhãs) e conseguiu manter a qualidade das anteriores edições.

O formato estreou e outras novidades se fizeram soar. Os jurados haviam também mudado. Podemos dizer que Luís Jardim deu lugar a Fernando Pereira; Alexandra Lencastre cedeu a cadeira para Rita Pereira e José Carlos Pereira foi substituído por Rui Maria Pêgo. Os jurados estavam muito ligados ao programa e a decisão foi arriscada. É de realçar que Luís Jardim era um elemento fundamental para falar de técnica e voz, enquanto Alexandra protagonizava momentos hilariantes. Os novos jurados são mais contidos nos comentários e até Rita Pereira se vê "ofuscada" neste papel, pois não consegue mostrar o seu talento nem para representar, nem para apresentar, pois de música a jovem mãe pouco entende.

Quanto aos concorrentes, Soraia Tavares foi sem dúvida uma opção acertada, por todo o talento vocal que possui. Também a jovem Bárbara Branco esteve à altura do desafio, mostrando que tem um futuro brilhante na representação e também na música. Inês Herédia destacou-se também ao longo das Galas. Os restantes concorrentes, Matilde Melo Breyner, Pedro Fernandes, Diogo Branco e Paulo Battista foram opções arriscadas, não pela falta de talento, mas pela dificuldade em imitar. Apesar do seu sentido de humor hilariante, a TVI reuniu demasiados concorrentes "engraçados" e poucos realmente com capacidade vocal para transformar a voz e imitar um grande artista. Quanto a Leandro, a falta de fair play tornaram-no na pior escolha.

As audiências não estão do lado do canal 4, mas temos na SIC o "Quem Quer Namorar com o Agricultor", que já mostrou ser um sucesso junto dos portugueses. Neste momento "A Tua Cara Não Me é Estranha" tem a pior audiências das edições. Os tempos mudam e a TVI está numa nova fase, onde vice-lidera atualmente em todos os horário. É difícil comparar assim as audiências desta edição com as restantes. Mas é facto que desceram. Quanto a Maria, continuará a crescer na estação de Queluz de Baixo? Ou o fracasso de "A Tua Cara" ditou o seu fim em horário nobre?

Segunda Opinião - 144ª Edição 
 Uma rubrica em parceria com o

Sem comentários