Header Ads

Duplo Clique | Abril 2019: Jornalismo, Tânia Ribas de Oliveira, Maria Cerqueira Gomes e repetições


A rubrica Duplo Clique regressou no mês de abril, data em que passou a ter publicação mensal, na primeira quarta-feira de cada mês. Mantendo a lógica da rubrica semanal - que esteve no ar entre abril de 2014 e fevereiro de 2018 com quase 100 edições -, propõe-se comentar programas da televisão generalista portuguesa, mas de uma forma mais abrangente.

Em vez de um programa por edição, serão abordados vários temas (e não só programas) que se tenham destacado a nível mediático em Portugal no mês anterior ao da publicação. Esta segunda edição aborda, portanto, os temas quentes do mês de abril. Fique para ler! Contamos consigo desse lado na nova fase do Duplo Clique!

(Foto: Lusa/José Sena Goulão)

A crise dos combustíveis vista pelos noticiários
No mês de abril os camionistas das transportadoras de matérias perigosas levaram a cabo uma greve de três dias e o país quase parou, com consequências das mais simples – como faltar gasolina e gasóleo nas bombas de combustível – às mais gravosas – caso de atrasos ou cancelamentos de voos no aeroporto de Lisboa. No rescaldo da greve, vale a pena refletir sobre a forma como os media portugueses, especialmente as televisões, abordaram o acontecimento: com um tom alarmista e inflamado, ocupando grande parte dos noticiários com diretos e reportagens stressantes, e que levaram, de resto, milhares de portugueses a correr para as bombas de combustível. A “televisão-espetáculo” a funcionar em pleno. Se as notícias não afirmassem, ainda antes da greve, que poderia vir a faltar combustível e não fossem tão alarmantes sobre as consequências da paralisação, provavelmente o combustível que existia nos postos de abastecimento duraria muito mais tempo e os efeitos não se notariam tanto. Neste caso, os media provocaram os próprios factos que noticiaram – e lucraram com isso. 

(Foto: RTP/Facebook)

Novo programa de Tânia Ribas de Oliveira na RTP
As mulheres sempre estiveram mais presentes na televisão do que os homens, provavelmente pela componente comunicativa da profissão, mas nunca como dantes houve tantas mulheres no daytime dos canais generalistas portugueses. A confirmar isto está a aposta em Tânia Ribas de Oliveira – uma vez terminada a dupla que fazia com José Pedro Vasconcelos – para apresentar um programa próprio no horário da tarde da RTP, enquanto na TVI está Fátima Lopes e na SIC está Júlia Pinheiro. A aposta em Tânia a solo é mais do que merecida, nota-se nela que é um desafio para o qual tem toda a competência, e onde mantém o seu registo televisivo querido dos portugueses. O programa, porém, surge numa altura em que tudo já parece ter sido inventado, pelo que, por mais que procure marcar a diferença, não deverá conseguir ir muito além daquilo que são os conteúdos próprios dos programas de companhia das tardes – que invariavelmente têm de misturar famosos com anónimos, história de vida, reportagens e temas úteis para a sociedade. 

(Foto: TVI/Facebook)

Maria Cerqueira Gomes sozinha no VTV
Muito se tem falado e escrito sobre a prestação de Maria Cerqueira Gomes como dupla de Manuel Luís Goucha no Você na TV, da TVI, e não é expectável que as atenções da imprensa e de alguma opinião pública se desinteressem tão cedo do assunto. Em abril, aconteceu o que mais cedo ou mais tarde ia acontecer: Goucha ir de férias e Maria ter de conduzir o barco sozinha. Surpreendentemente ou não, a portuense esteve muito bem, mostrando-se mais solta, segura de si e a imprimir um ritmo próprio à emissão. Quando Manuel Luís Goucha regressou, parece ter voltado tudo ao mesmo. Isto pode querer dizer que o apresentador não dá espaço a Maria para ela se destacar, ou que, a seu tempo, o programa viveria bem com apenas um deles à frente das câmaras. Como a dupla está formada, a TVI vai ter de manter o programa assim, mau grado o tempo das duplas televisivas estar aparentemente a acabar, como se vê pelos exemplos da RTP e da SIC.

(Foto: SIC)

A televisão das repetições
Contam-se pelos dedos os programas que se destacaram pela originalidade e impacto positivo junto dos telespectadores da televisão portuguesa nos últimos anos. Depois de uma certa recuperação do investimento em novos programas, parece que os decisores de programação estão a voltar àquilo que é mais fácil e rentável – conjugar reposições com reedições de programas. Veja-se, por exemplo, os já anunciados regressos de A Tua Cara Não Me É Estranha e Masterchef Portugal à TVI, assim como da série Inspetor Max, emitida nas férias da Páscoa e que, face às más audiências, ficou com três dos 12 episódios inéditos por exibir. Belmonte, emitida há apenas cinco anos, também voltou à grelha da TVI. Enquanto isso, a SIC continua a tirar proveitos de Quem Quer Namorar com o Agricultor?, com uma nova temporada, este que foi o único sobrevivente à enorme polémica que se abateu sobre os mais recentes reality-shows amorosos. 

Uma rubrica de André Rosa
Duplo Clique | Abril 2019

Sem comentários