Header Ads

Saiba como vai ser o 2º episódio de "Sol de Inverno"

 

Vai para o ar amanhã à noite, às 21h35, o segundo episódio de "Sol de Inverno". O Fantastic mostra-lhe as imagens e o resumo do capítulo seguinte desta trama que já conquistou os portugueses e tem sido bastante comentada nas redes sociais.

No próximo episódio, Matilde encontra Salvador na cafetaria do hospital e conforta o namorado depois deste ter acabado de perder o pai. O casal concorda em seguir em frente com a sua vida, mantendo a decisão de ir estudar para Londres.

À entrada do hospital, Sofia e Álvaro fazem companhia aos filhos de Francisco. Teresa confessa que já não aguentava estar no quarto do pai. Laura assoma nesse instante e vem devastada, confirmando a Eduardo que o suporte de vida de Francisco foi desligado, oficializando a sua morte. 

Sofia vai ao encontro de Laura que se deixa abraçar controlando a imensa raiva que sente dela. Com uma frieza extraordinária, Laura até agradece a Sofia e Álvaro a sua amizade. 

Sofia oferece-se para lhe fazer companhia em casa mas Laura recusa, tal como recusa ser acompanhada quando decide que vai dar uma volta. Com alguma estranheza, todos a vêm afastar-se, mas entendem aquela atitude como uma forma de expressar o desgosto pela perda do marido.

Laura treina a falsificação das assinaturas de Sofia e Álvaro e, quando atinge a perfeição, passa com o nome deles um cheque de dois milhões de euros e dá ordem para que o vão buscar.  O cheque que o casal havia passado para pagar a maquinaria que a empresa adquiriu, é destruído.

Teresa, Salvador e Simão observam Margarida que está a montar. Simão pergunta a Salvador se sempre vai para Londres. 

O irmão começa a duvidar se será o que deve fazer mas Teresa, sempre ponderada, defende que todos devem seguir com as suas vidas, apesar de ser difícil depois da morte do pai. Margarida aproxima-se e pergunta se alguém a acompanha para galopar, dizendo que está a precisar de o fazer. Salvador acompanha a irmã, pedindo-lhe apenas que o deixe calçar umas botas.

Margarida e Salvador galopam à beira-mar. Ela confessa que já sente muito a falta do pai e o irmão concorda que todos sentem o mesmo. Nesse momento, cruza-se com eles uma rapariga de prancha na mão, que sorri ao ver os cavalos. 

Os irmãos prosseguem a cavalgada e cruzam-se com Tomás que conduz em stress, pelo caminho de onde eles vieram. O telemóvel de Tomás toca e quando ele atende é pressionado pelo patrão a voltar ao banco, pois tem um cliente importante com urgência em ser atendido. 

O rapaz afirma que não volta e acaba por se despedir, farto da insistência do gerente. Como o homem persiste em ligar-lhe, Tomás atira o telefone ao mar. Lúcia que acabou de surfar, assiste a tudo divertida. Tomás vai rindo de si próprio e começa a despir-se para vestir o fato de mergulho. 

Depois de se apresentar a Lúcia acaba por se espalhar na conversa, recusando ir tomar ao bar da praia, colocando-lhe todos os defeitos, sem saber que o estabelecimento pertence a Lúcia. 

Ela ainda o compromete mais, dizendo que se acabar por ir experimentar o bar, lá estará o marido que o fará mudar de ideias e de o fazer gostar do espaço. Tomás fica incomodado e prefere ir surfar. Lúcia vai embora e entra num palacete ali ao pé. 

Assim que avista Lé pergunta por Violeta e Matias. A amiga conta que estão a dormir a sesta e a rapariga agradece. Mariano arruma os seus tupperwares e procura uma das tampas, que Lé o ajuda a encontrar, enquanto convida Concha para ir com ela dormir na praia para verem a chuva de estrelas nessa noite. A filha diz que tem de estudar para um teste e ainda concluir um trabalho, não cedendo às tentações. A harmonia é interrompida por Fátima que corre atrás de Paulo que a enganou, omitindo ser casado e pai de filhos. Lé entrega um chá a Fátima, enquanto Mariano lhe oferece um pouco do seu bolo. Paulo consegue fugir à ira da rapariga.

Muita gente aguarda pelo funeral de Francisco. Dulce é uma das pessoas presentes. Está chorosa, muito abalada, quando Isabel a cumprimenta, dizendo à madrinha para que tenha força. 

Ela confessa que não esperava vê-la ali, mas Isabel argumenta, ainda que tensa, que Francisco era o seu patrão e que gostava muito dele. Dulce responde que não vale a pena remoer e que o que têm a fazer é olhar em frente. 


Nesse instante, Laura, os filhos e a nora chegam à basílica. Salvador passa à frente de Isabel e Dulce abraçado a Matilde. Elas ficam visivelmente tensas e Dulce diz a Isabel que se falar, vai fazer mais mal que bem e que o dia, não é dia para falar com quem quer que seja.

Eduardo resmunga que deviam correr com os fotógrafos e com os restantes jornalistas. Simão acalma o irmão e afirma que é natural o mediatismo do funeral, uma vez que o pai era uma pessoa conhecida. Acrescentando que não é uma boa altura para hostilizar a imprensa.

Sofia abeira-se de Laura e cumprimenta-a segurando-lhe a mão, ao mesmo tempo que desabafa que custa muito pensar que vão ficar sem Francisco. Laura solta-se com rispidez da amiga e responde que custa mesmo muito, até porque ela sempre foi muito próxima dele. Sofia estranha aquela reacção mas acaba por desvalorizá-la, seguindo como os demais para o interior da igreja.

Durante a missa, Isabel fita Salvador e fica com um ar pensativo e preocupado. As últimas palavras são proferidas por Laura que realça todo o amor que dedicou a Francisco, citando o escritor francês Balzac, para afirmar que o ódio tem melhor memória do que o amor.  Manel chega ao cemitério já com o funeral de Francisco no fim. Quando a cerimonia termina, aproxima-se de Laura e conta-lhe que foi detectado um desfalque de dois milhões de euros na empresa. 

Laura faz-se desentendida e pergunta quem seria capaz de tal coisa e se já apuraram o que aconteceu. Manel confidencia que as assinaturas do cheque que foi parar a uma offshore desconhecida, foi feita por Sofia e Álvaro. O contabilista dispõe-se a ir falar com eles mas Laura não permite, dizendo que é urgente denunciá-los à polícia. Manel insiste em falar primeiro com Sofia e Álvaro mas Laura insiste que este é um caso para as autoridades resolverem.

Sofia e Álvaro estão num almoço de negócios quando são abordados por dois agentes da Polícia Judiciária, que os obrigam a acompanhá-los. Durante o interrogatório, o casal é confrontado com um cheque que serviu para desviar dois milhões de euros da empresa e que contém as suas assinaturas. Sofia e Álvaro asseguram que as suas assinaturas foram falsificadas e ficam espantados por terem sido denunciados por Laura, sem que ela tivesse falado com eles antes. 

Ao proferir tais palavras olha carregada de ódio para Sofia, mas os presentes interpretam aquele olhar como uma reacção de desgosto pela perda do marido. Salvador abraça a mãe e leva-a para tomar ar. Laura transpira raiva no seu olhar.

Sofia esclarece que apenas assinaram um cheque daquele valor para pagarem a maquinaria que compraram e confirma que foi para essa despesa que deu ordem ao banco que libertasse o dinheiro. Capote, que conduz o interrogatório desabafa que já percebeu que aquela conversa vai demorar.

Eduardo mostra-se surpreendido com o desfalque ocorrido na empresa e duvida que Sofia e Álvaro tenham desviado o dinheiro. Laura manipula o filho e faz com que ele acredite que os amigos queriam afastá-la da empresa, depois da morte de Francisco e que, por isso, teve de jogar por antecipação. Eduardo percebe que foi a mãe a criar aquela situação a Sofia e Álvaro e compromete-se a guardar segredo.

Sofia vai a casa de Manel clamar a sua inocência e o contabilista da Boheme promete tudo fazer tudo para a ajudar. Manel deixa claro que foi Laura que insistiu em denunciá-los à polícia sem falar com eles antes. Sofia vai decidida à procura de Laura, dizendo que ela precisa de saber que está inocente.

Álvaro, desesperado, assiste em casa de Adelino às notícias, acompanhado por Matilde e Joana que não escondem a sua apreensão. Na reportagem é lançada sobre ele e a mulher a suspeita de terem desviado uma fortuna da empresa. Adelino desliga a televisão e comenta que os jornalistas querem é culpados. 

Álvaro repete várias vezes a Matilde que tanto ele como a mãe estão de consciência tranquila, reafirmando que não desviaram um centavo e que a conta onde o dinheiro foi depositado não lhes pertence. Álvaro aceita jantar em casa do sogro, pois a essa hora tem a casa invadida de jornalistas. Matilde recebe uma mensagem de Salvador que lhe pede para lhe ligue. Matilde pergunta a Álvaro se não devia ter acompanhado a mãe mas o pai responde que Sofia quis ir sozinha falar com Laura.

Sofia jura a Laura que não fez qualquer desfalque na empresa mas ela deixa-a desconcertada ao responder que ninguém pode garantir que não lhe roubou o dinheiro, já que foi capaz de lhe roubar o marido. Só depois desta frase é que Sofia percebe a armadilha que Laura lhe montou para a incriminar ela e a Álvaro. Laura não esconde o que fez e acusa Sofia de a ter traído ao ter um caso com o marido. Sofia jura que o namoro com Francisco acabou quando tinham dezassete anos e que nunca mais tiveram nada um com o outro. 

Ao ser confrontada com o facto de Dulce os ter visto a beijar-se, Sofia desvaloriza esse episódio mas Laura não lhe perdoa e expulsa-a da sua casa, afirmando que a sua amizade acabou e a sociedade também. Sofia retira-se convencida de que vai conseguir provar a sua inocência e em choque com as revelações daquela que até ali era a sua melhor amiga.

Alheios ao conflito que eclodiu entre as suas famílias, Salvador e Matilde só pensam em fugir juntos e beijam-se com ternura.

Sofia chega a casa do pai e conta a Álvaro que foi Laura quem falsificou o cheque que os incrimina de terem desviado dinheiro da empresa. O marido tenta saber porquê mas Sofia esconde o motivo e responde apenas que Laura quer ficar com tudo o que é deles. Beatriz afirma que ela tem de ir contar tudo à polícia mas Sofia diz que não tem forma de provar a sua inocência, dizendo que precisa de ir descansar.

A sós com a irmã, Sofia acaba por contar a Beatriz que Laura agiu por vingança convencida de que ela tinha um caso com Francisco. Adelino irrompe no quarto e chama-as para que vejam uma coisa.

Álvaro descobre ao consultar o computador, que foram compradas duas passagens de avião em seu nome e no de Sofia, para dar a ideia de que tencionavam fugir. Sofia conclui que Laura não só quer que fiquem sem nada como os quer ver na cadeia. Matilde fica alarmada com a possibilidade de ver os pais serem presos. 

Álvaro e Sofia percebem que têm de deixar o país e decidem, por sugestão do marido, fugirem para Moçambique, onde ele nasceu. O casal começa a preparar a fuga com a colaboração da família. Sofia diz a Matilde que vai ficar com o avô e a tia, abraçando-a, em lágrimas.

Laura é informada pela polícia de que o juiz já emitiu um mandato de captura em nome de Álvaro e Sofia. Sem se deter, Laura procura Salvador e incita-o a afastar-se daquela família, que o mesmo é dizer, acabar o namoro com Matilde. Laura joga na chantagem emocional e diz que, apesar de Salvador ter sido adoptado, nunca o tratou de forma diferente relativamente aos filhos biológicos, esperando que ele saiba escolher o lado certo nesta batalha. Salvador reconhece que sempre se sentiu como qualquer membro da família e fica a pensar no que fazer.

Os agentes da Polícia Judiciária invadem a casa de Adelino para prenderem Sofia e Álvaro mas ficam frustrados porque o casal não se encontra ali. 
A essa hora, Álvaro e Sofia estão prestes a entrar em Espanha, embora destroçados por estarem a deixar o pais e a filha. Dois dias depois chegam a Maputo e Sofia pergunta destroçada a Álvaro o que vai ser deles no futuro. O marido está tão apreensivo quanto ela e não sabe o que responder.

Sem comentários