Header Ads

Sete Filmes por Semana | De 1 a 7 de janeiro




Todas as semanas, o Fantastic sugere-lhe uma lista de sete filmes para ver ao longo de sete dias. Será um filme por dia, com sugestões para todos os gostos. 

Das longas às curtas-metragens, passando pelo cinema americano ou europeu, com géneros tão vastos como a ação, o drama ou a comédia, muitas são as propostas que iremos trazer até si. Aceita o desafio?

Semana 1 - De 1 a 7 de janeiro

01. Sozinho em Casa 

Realização: Chris Columbus
Género: Comédia
Ano: 1990

Para o primeiro dia do ano, o clássico Sozinho em Casa parece ser a opção perfeita para toda a família.  O filme é um dos maiores sucessos de sempre e são poucos aqueles que não conhecem a história da família McCalister. 

Deixado acidentalmente para trás pela sua família nas férias de Natal, Kevin McCalister de oito anos tornou-se, da noite para o dia, o homem da casa. Sozinho, tímido e desajeitado ele tenta resolver os seus problemas: ir às compras, cozinhar, lavar a roupa e até tomar banho. Mas tudo se complica quando dois ladrões tentam assaltar a sua casa, e ele tem de a defender da única maneira que sabe.

02. As Horas  

Realização: Stephen Daldry
Género: Drama
Ano: 2002

As Horas é a história de três mulheres à procura de vidas com mais sentido. Cada uma delas vive numa época e num local diferente, mas as suas vidas interligam-se por pequenos fios de seda, jogos de correspondências, que só se revelarão no final. 

Virginia Woolf (Nicole Kidman), num subúrbio de Londres no início dos anos 20, combate a loucura enquanto começa a escrever o seu primeiro grande romance: “Mrs. Dalloway”. Laura Brown (Julianne Moore) é uma dona de casa que vive em Los Angeles, no final da II Guerra Mundial. Casada e com um filho, Laura começa a ler “Mrs. Dalloway” e a leitura torna-se tão reveladora que ameaça alterar de forma dramática a sua vida. Clarissa Vaughan (Meryl Streep), uma versão contemporânea da “Mrs. Dalloway” de Woolf, vive em Nova Iorque, nos anos 90. 

O filme ganhou o Óscar na categoria de Melhor Atriz (Nicole Kidman), tendo sido ainda nomeado para Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator secundário (Ed Harris), Melhor Atriz secundária (Julianne Moore), Melhor Figurino, Melhor Edição, Melhor Argumento Adaptado e Melhor Banda sonora.

03. Balada de um Batráquio 

Realização: Leonor Teles
Género: Documentário
Ano: 2016

Balada de um Batráquio é uma curta-metragem realizada por Leonor Teles, que venceu o Urso de Ouro no Festival de Cinema de Berlim, em 2016. Depois de Rhoma Acans, a jovem realizadora regressa com um filme que, num gesto tão pessoal quanto activista, desfaz um dos preconceitos sobre a comunidade cigana.

Tal como os ciganos, os sapos de loiça não passam despercebidos a um olhar mais atento. Balada de um Batráquio surge assim num contexto ambíguo. Um filme que intervém no espaço real do quotidiano português como forma de fabular sobre um comportamento xenófobo.

04. Vigaristas de Bairro 

Realização: Woody Allen
Género: Comédia
Ano: 2000

Vigaristas de Bairro conta as aventuras ilegais de um lavador de pratos ex-vigarista e da sua mulher, uma manicure que sonha ficar rica. O ex-vigarista elabora um plano com vários camaradas para assaltarem um banco. 

Mas, como precisa de dissimular o que está a fazer, abre uma pastelaria que fica a cargo da manicure. Só que a loja depressa se torna um sucesso e os vigaristas de bairro ganham uma fortuna. Agora, vão ter de aprender a integrar-se na alta sociedade.

05. Sherlock Jr. 

Realização: Buster Keaton
Género: Comédia
Ano: 1924

Um projecionista de cinema, Buster Keaton, sonha tornar-se detective. A sua oportunidade chega quando, em casa da sua noiva, um relógio é roubado pelo seu rival, mas este consegue fazer com que o projecionista pareça o culpado aos olhos de todos. 

No seu cinema, o projecionista adormece durante uma projeção, e sonha que entra no filme, onde é um famoso detetive, que tem de deslindar um caso onde os protagonistas são as pessoas da sua vida. Esse sonho é como que uma segunda oportunidade para que ele prove a sua inocência, redimindo-se aos olhos da sua noiva e livrando-se do seu rival.

O realizador de Sherlock Jr, Buster Keaton, é considerado um dos grandes comediantes de todos os tempos. O ator realizado e interpretou diversos papéis em filmes de comédia mudos, numa altura em que também Charlie Chaplin dava que falar.

06. Pulp Fiction 

Realização: Quentin Tarantino
Género: Drama, Thriller, Crime
Ano: 1994

Uma história, composta por várias histórias, contada de trás para a frente, com todo o ritmo de Quentin Tarantino. Os episódios têm todos uma acção própria, mas estão sempre, de uma forma ou outra, interligados. Pul Fiction é um “thriller” policial, onde o modernismo se funde com as sangrentas atmosferas dos clássicos dos anos trinta e quarenta. 

Tarantino vai desenhando genuínas, irónicas e cruéis atmosferas de marginalidade no meio do mais vulgar quotidiano. E depois, para completar, coloca nesses ambientes assassinos profissionais, “gangsters” implacáveis, miúdas desmioladas, pugilistas de terceira, sádicos de bairro e assaltantes românticos. 

Uma mistela que lhe valeu a Palma de Ouro em Cannes e várias nomeações para os Óscares, tendo conquistado o de melhor argumento original, e que o impôs como um dos mais talentosos cineastas da sua geração. (Texto: Público)

07. Divertida-mente 

Realização: 
Pete Docter, Ronaldo Del Carmen
Género: Animação
Ano: 2015

A animação Divertia-mente conta a históira de Riley, uma nenina de 11 anos, que vê a sua vida mudar quando o pai muda de emprego. Agora, toda a família se vê obrigada a abandonar a pequena cidade onde sempre viveu no Minnesota (EUA) para se instalar em São Francisco. Para uma jovem prestes a entrar na adolescência, esta mudança não poderia acontecer em pior altura. 

Apesar disso, ela sabe que tem de se habituar a esta nova circunstância e não se deixar cegar pelos sentimentos. A Alegria, o Medo, a Raiva, a Repulsa e a Tristeza são as cinco emoções que vivem no quartel-general do seu cérebro, onde a Alegria – a capitã – tenta equilibrar os estados de espírito e, simultaneamente, fazer com que a vida de Riley nunca deixe de ser feliz. 

Mas quando a Alegria e a Tristeza acidentalmente se perdem dentro do cérebro da menina, a sua vida fica virada do avesso. Com o centro de controlo sem a Alegria a comandar, o Medo, a Raiva e a Repulsa tomam o controlo da sua vida. Assim, numa corrida contra o tempo, duas emoções opostas unem esforços para percorrer as várias secções existentes na jovem mente e encontrar o caminho de volta. Tudo isto antes que a família de Riley perca as estribeiras com as suas flutuações de humor.


Sem comentários